P&D Agropecuario no Brasil

Política, Investimentos e Perfil Institucional

Em 1996, o Brasil empregava mais de 5.000 pesquisadores em tempo integral, e gastava mais de $1 bilhão (em dólares internacionais de 1993) em pesquisa agropecuária; cerca da metade do gasto total em pesquisa agropecuária de toda a América Latina.

Grande parte da pesquisa é desenvolvida por organizações públicas; 79 porcento deste total por organizações federais e estaduais e 15 porcento por agências de ensino superior. A Embrapa, empresa criada pelo Governo Federal em 1972, ainda é a organização mais importante de pesquisa do país, sendo responsável por mais de 57 porcento dos investimentos feitos em pesquisa agropecuária em 1996 (um percentual de gastos ligeiramente superior ao obtido em meados dos anos 70).

A intensidade com que o Brasil investe em pesquisa agropecuária é alta para os padrões da América Latina e está se tornando comparável às intensidades encontradas em alguns países desenvolvidos. Em 1996, o Brasil investiu $1,70 para cada $100 do PIB agropecuário. Desde 1976, o suporte financeiro para a pesquisa agropecuária tem, em geral, apresentado uma tendência crescente. Todavia, desde meados dos anos 90 o financiamento da Embrapa tem diminuído significativamente – por um lado devido à uma redução dos recursos nominais e por outro aos efeitos da inflação. O mesmo tem ocorrido com muitas organizações estaduais, o que tem resultado em várias extinções e fusões de tais organizações com agências de extensão rural.

Author: 
Beintema, Nienke M.
Dias Avila, Antonio Flavio
Pardey, Philip G.
Published date: 
2001
Publisher: 
IFPRI, Embrapa, and FONTAGRO
PDF file: